sexta-feira, 21 de dezembro de 2007

Perdas e Danos


O clube de cinema de férias começou bem: a reunião inaugural (presidida pela digníssima Soraia, que introduziu e conduziu a discussão) foi marcada pela exibição de Perdas e Danos, de 1992.

Perdas e Danos não tem nada de novo; Facilmente reconhecível por um padrão britânico noventista (abordagem de temas, elitismo social, trilha sonora substancialmente incidental e presente, cor, etc etc- talvez uma mera coincidência faça tantos se encaixarem neste “estilo”), possui um enredo simples e envolvente.
Um frio e seco político europeu, líder do parlamento conservador (Jeremy irons, dando um caldo booom), dono de uma família centrada e aparentemente impecável, envolve-se com a namorada do seu filho, uma mulher singular e misteriosa, encarando um romance tórrido e descontrolado.
A grande questão do filme é a condução da história. Não é difícil começar a se importar com a relação das personagens, tratada sem julgamentos moralistas ou romantismo alienado.
Stephen é um homem sem emoções, que de maneira súbita encontra um sentido para a sua vida, passando a precisar disto para continuar vivendo. Anna, (interpretada por Julliete Binoche) é uma femme fatale andrógina e ainda assim, feminilíssima e sensual que ao contrário dele, sempre teve sede de viver, de encarnar emoções e sensações. Mesmo que isso custe a dignidade ou até a vida alheia.
As cenas de sexo, selvagem e intensamente bem feitas, quebram a estética fria do filme, mas a trilha sonora didática (hora do susto!; hora do tédio!; hora da putaria!) irrita um pouco.
Baseado no romance de Josephine Hart, Perdas e Danos se mostra um exercício cinematográfico interessante.

12 Comentários:

Anonymous Sol disse...

Este comentário foi removido por um administrador do blog.

22 de dezembro de 2007 09:17  
Anonymous Sol disse...

Este comentário foi removido por um administrador do blog.

22 de dezembro de 2007 09:18  
Anonymous Sol disse...

Não achei a trilha didática não....
ao contrário, dá mais movimento e intensidade as cenas.
E o Stephen tem emoções, e como!
Só não tinha como espressá-las, por que não tinha o menos sentido dentro daquele contexto familiar.
Anna não era só a mulher que ele desejava ou amava, era um encontro único,como se ele enfim se tornasse si mesmo. "Um homem é uma ilha, a menos que..." Nesse caso ela era esse senão. O livro de Josephine Hart confirma isso.
Todas as consequências eram de previsibilidade acertada.
Cada um achou uma coisa... hahaha.
abraços!

22 de dezembro de 2007 09:21  
Blogger Le Coupin disse...

Ah, se eu for baixar todos os filmes que você recomenda... vou estourar meu HD! Mas confesso que gostei da estória! Assim que vagar aqui eu baixo! =D

23 de dezembro de 2007 18:22  
Blogger Le Coupin disse...

Adoro que ela comenta 3 vezes o mesmo comentário!

23 de dezembro de 2007 18:22  
Blogger niltim disse...

lembro de meus pais não deixarem a gente assitir o filme quando a gente era pequeno... quando fiquei grandinho foi um dos primeiros filmes que loquei pra ver...

nada demais, confesso, mas de tanto o mais, o filme não me pareceu péssimo!

:D

24 de dezembro de 2007 16:19  
Blogger Gentle Rick disse...

ainda nao vi a esse filme, mas me despertou interesse...

26 de dezembro de 2007 08:51  
Blogger The Immature Girl disse...

gosto mais do jeremy iraons no reverso da fortuna, e da juliete binoche na insustentável leveza do ser... dois dos meu filmes favoritos, diga-se de passagem!

adorei a temática cinéfila do blog, parabéns!

quanto ao seu post anterior, saiu um filme agora, com a idéia do janela indiscreta, chama-se paranóia, com o shia le bouf, do transformers... apesar de ser bem americanão, gostei das cenas iniciais, entre pai e filho e do que ocorre com eles... não vou falar mais pra não estragar...


voltarei!
bjus!

2 de janeiro de 2008 13:46  
Blogger .F Marques disse...

ahhhhhhhhh, AMO JULIETTE BINOCHE!
Adoro esse filme, a atuação dela vale por qualquer falta de inovação.
No próximo me chama.
;)

5 de janeiro de 2008 07:18  
Blogger Carmem Silvia disse...

Sucesso!
Tô gostando de TUDO aqui.
Beijo de aniversário e de feliz 2008.

6 de janeiro de 2008 04:27  
Anonymous Gerana disse...

Beijão pelo seu dia (06/ 01). Você sabe o quanto desejo tudo de bom na sua vida.Mais bjs e mais abraços.

6 de janeiro de 2008 16:32  
Anonymous Semjaza disse...

Olá..Pedro...
Não vou me prolongar..Apenas concordo com sol...E quando puder comente um filme chamado: O AMOR NÃO ORDINÁRIO...Valew..(ellvs@yahoo.com.br)

6 de janeiro de 2008 20:41  

Postar um comentário

Assinar Postar comentários [Atom]

<< Página inicial